Sempre que se ouve falar em bactérias, logo vem à cabeça doenças e sujeira. No corpo humano existem mais de 100 trilhões de bactérias e nem todas fazem mal. Existem alguns tipos de bactérias patogênicas e alguns tipos que fazem bem ao nosso organismo e podem fazer parte da alimentação diária sem receio, os probióticos.

Os probióticos, também conhecidos como bactérias do bem, são micro-organismos vivos que quando ingeridos em quantidades adequadas exercem efeitos benéficos à saúde.  Presentes em todo o corpo, se concentram principalmente no intestino, formando a flora intestinal. As principais bactérias boas que podem ser encontradas no organismo são os Lactobacilos e as Bifidobactérias.

Esses microrganismos contribuem para a manutenção de uma flora intestinal saudável e equilibrada, pois ajudam a melhorar a digestão e absorção de nutrientes, a produzir vitaminas (como a vitamina K e do complexo B), a reduzir sintomas intestinais (como diarreia e prisão de ventre), a manter o sistema imunológico sempre fortalecido, a proteger o organismo de bactérias patogênicas e infecções, entre outras importantes funções para manter a saúde do organismo.

Para que consigam oferecer todos esses benefícios, os probióticos devem ser consumidos diariamente e em quantidades entre 10⁸ (100 milhões) e 10⁹ (1 bilhão) UFC (Unidades Formadoras de Colônias), de forma a garantir que quantidades suficientes dessas bactérias cheguem vivas ao intestino, conforme recomendado pela ANVISA.

Probiatop® é um probiótico composto por 4 espécies diferentes de bactérias (também chamadas de cepas), na quantidade de 1 bilhão UFC de cada uma delas, totalizando 4 bilhões de probióticos por sachê do produto. São elas:

– Lactobacillus acidophilus NCFM

– Lactobacillus paracasei LPC-37

– Lactobacillus rhamnosus HN001

– Bifidobacterium lactis HN019

Cada bactéria promove benefícios específicos no organismo, portanto quando são combinadas, passam a atuar de maneira mais efetiva no intestino se comparada à utilização de bactérias utilizadas isoladamente.

Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e a prática de atividade física.

  • Referências

    1. Ciorba MA. A gastroenterologists guide to probiotics. Clinical Gastroenterology and hepatology 2012;1 0:960-968.
    2. Patel R et al. New Approaches for Bacteriotherapy: Prebiotics, New-Generation Probiotics, and Synbiotics. Clinical Infectious Diseases. 2015;60(S2):S108–121.
    3. Guarner F et al. Probióticos e prebióticos. Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gastroenterologia 2011: 2-22.
    4. Saad SMI. Probióticos e prebióticos: o estado da arte. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. 2006;42(1).
    5. Fortes RC et al. Efeitos da suplementação dietética com frutooligossacarídeos e inulina no organismo humano: estudo baseado em evidências. Com. Ciências Saúde. 2009;20(3):241-252.
    6. Hauly MCO et al. Inulina e Oligofrutoses: uma revisão sobre propriedades funcionais, efeito prebiótico e importância na indústria de alimentos. Semina: Ciências Exatas e Tecnológica. 2002;23(1):105-118.
    7. Sanders ME. Impact of Probiotics on Colonizing Microbiota of the Gut. J Clin Gastroenterol 2011;45:115-119.
    8. Chapman CMC et al. Health benefits of probiotics: are mixtures more effective than single strains? Eur J Nutr (2011) 50:1–17.
    9. Slavin J. Fiber and Prebiotics: Mechanisms and Health Benefits. Nutrients 2013, 5: 1417-1435.
    10. Vyas U & Ranganathan N. Probiotics, Prebiotics and Synbiotics: Gut and Beyond. Gastroenterology Research and Practice. 2012.
    11. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Comissões de assessoramento tecnocientífico em alimentos funcionais e novos alimentos. Lista de alimentos com alegações de propriedades funcionais ou de saúde, novos alimentos/ingredientes, substâncias bioativas e probióticos, aprovada de 11 de janeiro de 2005. Atualizada em julho de 2008.