O estilo de vida moderno tem modificado os hábitos de vida da população, aumentando o desenvolvimento de inúmeras situações associadas a alimentação desbalanceada e ao sedentarismo, tais como a perda excessiva de massa muscular, a osteoartrite, a osteoporose, problemas e/ou desgastes nas articulações, entre outras.

Os ossos do corpo estão continuamente em remodelação, uma vez que são formados por células que se renovam constantemente: os osteoblastos, responsáveis pela formação do tecido ósseo; os osteoclastos, responsáveis pela reabsorção/destruição óssea; e os osteócitos, que regulam a formação e a destruição óssea. A formação óssea apresenta maior atividade na fase de crescimento, continua mais rápida até a faixa de 30 a 35 anos, quando a densidade e formação óssea estão na sua máxima capacidade e, após esta idade, a formação e a reabsorção óssea podem ficar equilibradas, com densidade óssea estabilizada, ou podem estar em desequilíbrio, aumentando o risco de enfraquecimento dos ossos e da ocorrência de osteoporose e fraturas.

Já os músculos, ossos, tendões, cartilagens, veias, entre outros, tem como principal componente o colágeno, que contribui com a integridade estrutural desses tecidos. No entanto, com o passar dos anos, nosso metabolismo torna-se menos eficiente, perdendo gradualmente a capacidade de produzir o colágeno, o que resulta em deficiência desta proteína. Como consequência, os músculos ficam progressivamente mais flácidos, a densidade dos ossos diminui, as articulações e os ligamentos perdem elasticidade e força motora.

Assim, para que o organismo mantenha o equilíbrio das estruturas ósseas, cartilagens e articulações, levando a diminuição da perda de massa óssea, redução das dores articulares e melhora da mobilidade de pacientes, é necessário o consumo de nutrientes específicos e em proporção adequada para a manutenção da estabilidade óssea e constituição do colágeno. Isso é possível através da ingestão de vitaminas e minerais específicos para a saúde óssea, como vitamina D e cálcio, e suplementação de colágeno hidrolisado, ambos associados a uma alimentação equilibrada e a prática de atividade física regular.

  • Referências

    1. Da Silva TF; Ana Lúcia BP. Colágeno: Características químicas e propriedades funcionais. Rev Inst Adolfo Lutz. 2012;71(3).

    2. Moriscot AS, Carneiro J, Abrahamsohn PA. Histologia para Fisioterapia e outras áreas da Reabilitação. Guanabara-Koogan, 2004.

    3. Jiang JX et al. Collagen peptides improve knee osteoarthritis in elderly women A 6-month randomized, double-blind, placebo-controlled study. Agro Food Industry Hi Tech 2014;25(2).

    4. Adriaenssens KA. Suplementação de colágeno hidrolisado e seu impacto no tratamento de osteoartrite e artrite reumatoide: uma revisão da literatura. Brasília. Tese [Trabalho de conclusão de curso em Ciências da Educação e Saúde] – Centro Universitário de Brasília; 2015.